Sugestão de fonte sobre leilão A-6

16/10/2019 17:10 • Eventos

As pequenas centrais elétricas podem transformar o Brasil num enorme canteiro de obras, gerar empregos imediatos e são projetos de entrega rápida para a geração de energia no país

Nesta sexta-feira (18), acontece o Leilão A-6, na CCEE em São Paulo.

Disponibilizamos o empresário-gerador Walfrido Ávila que vai participar do Leilão com 3 PChs e 1 Térmica. Walfrido Avila é presidente da Tradener, empresa pioneira na comercialização de energia no mercado livre.

Seguem algumas informações. 

  • A participação da Tradener como geradora de energia é uma novidade. Informação inédita ainda não divulgada.
  • Walfrido tem sérias críticas ao governo, acesso a estudos de mercado e informações que localizam essa oportunidade defendida para que o Brasil não perca a oportunidade de resolver parte substancial de sua crise por meio desse leilão, que é praticamente uma reivindicação do mercado distribuidor.

Além desse assunto exclusivo, o CEO pode falar sobre o panorama do Mercado Livre de Energia, além de outros assuntos recorrentes do setor.

Brasil tem excelente oportunidade de desenvolvimento econômico com o leilão A-6 através das PCHs

As pequenas centrais elétricas podem transformar o Brasil num enorme canteiro de obras, gerar empregos imediatos e são projetos de entrega rápida para a geração de energia no país

Promovido pelo Ministério de Minas e Energia (MME) e pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), o próximo leilão para contratação de nova capacidade de geração de eletricidade será realizado na sexta-feira, 18 de outubro, na Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE), em São Paulo, com início previsto para às 10h. A Empresa de Pesquisa Energética habilitou 1.541 empreendimentos para o próximo Leilão A-6, a ser realizado no dia 18 de outubro, totalizando 71.385 MW de capacidade cadastrada.

De acordo com a entidade, a fonte eólica liderou no cadastro de ofertas, com mais de 25.158 MW e 845 projetos, sendo seguida de perto pela solar, que teve 827 projetos cadastrados, totalizando 29.880 MW de potência. Em terceiro lugar aparecem as PCHs, com 58 empreendimentos e 895 MW, somando 939 MW de capacidade instalada, que estão espalhados por 12 estados brasileiros: oito no Mato Grosso, com 158 MW; dois no Mato Grosso do Sul, com 48 MW; oito no Pará, com 158 MW; um em Goiás, com 8 MW; seis em Tocantins, com 107 MW; um na Bahia, com 16 MW; seis em Minas Gerais, com 90 MW; um no Espírito Santo, com 8 MW; dois no Estado do Rio de Janeiro, com 21 MW; 10 no Paraná, com 149 MW; 11 em Santa Catarina, com 148 MW; e três projetos no Rio Grande do Sul, com 131 MW.

Quanto as novidades para o A-6, destacam-se as primeiras participações da fonte solar fotovoltaica e de aerogeradores de 6 MW de potência. Em relação à ausência de usinas hidrelétricas com capacidade acima de 50 MW, o Ministério de Minas e Energia decidiu optar pela eliminação desses projetos de porte maior em função dos prazos para aprovação exigidos pelo Tribunal de Contas da União (TCU).

Na análise por regiões, foram 22 estados da federação contemplados pela habilitação, com 70% da potência aprovada se concentrando em seis localidades: a Bahia, com 16.750 MW, seguida por Rio Grande do Norte, com 10.161 MW, Piauí 7.961 MW, Ceará 6.326 MW, Rio de Janeiro, com 5.361 MW e por fim Pernambuco, com 4.217 MW.

Sobre a Tradener: é uma das maiores comercializadoras independentes de energia elétrica e gás natural do país, com foco nos consumidores livres de energia elétrica e produtores independentes. Pioneira no segmento desde 1998, foi a primeira empresa do Brasil autorizada pela Aneel a comercializar energia com consumidores livres e geradores no ambiente de contratação livre. Com investimentos em geração renovável, a companhia está no ranking das maiores e melhores empresas do Brasil. É reconhecida pela Valor 1000, Exame, e Estadão. Site: www.tradener.com.br