Transpetro cancela contratação de 17 navios previstos no Promef

A Transpetro, subsidiária de logística da Petrobras, cancelou a contratação de 17 navios previstos no Programa de Modernização e Expansão da Frota (Promef), informou o presidente da empresa, Antonio Rubens Silva. Segundo o executivo, são embarcações que nem sequer começaram a ser construídas e todos os pedidos tiveram contratos rescindidos.

O Promef era um dos principais programas da Transpetro sob a gestão de Sérgio Machado, ex-presidente da subsidiária e um dos delatores de caciques do PMDB na Operação Lava Jato. Foi também um dos carros chefes do plano dos governos do PT de impulsionar a indústria naval por meio da demanda da Petrobras.

O Promef previa a contratação de 46 embarcações, segundo Silva. Três navios que estavam em construção no estaleiro Eisa Petro-1, no Rio, estão com situação indefinida, após o fornecedor pedir recuperação judicial. O presidente da Transpetro disse que essas encomendas podem tanto ser canceladas quanto repassadas para outros estaleiros.

Ainda conforme Silva, o cancelamento não implica redução na capacidade de operação da Transpetro. O plano é fretar navios para dar conta da demanda da Petrobras e de outras empresas, já que o foco de expansão da subsidiária agora vai além da demanda de sua controladora.

“O fato de ter cancelado 17 navios não quer dizer que não vamos mais ter navios. Estamos agora avaliando contratar navios a casco nu”, disse Silva, comparando com a frota de caminhões da Transpetro, da qual 355 são de terceiros. “Não é terceirização. O navio é contratado, mas eu tripulo e presto o serviço”, explicou.

Estadão Conteúdo