Setor de compósitos voltou a crescer em 2017

Faturamento foi de R$ 2,598 bilhões, alta de 1,9% em comparação ao ano anterior.

Em 2017, o setor de compósitos – um tipo de plástico de alta performance – faturou R$ 2,598 bilhões, alta de 1,9% em comparação ao ano anterior. Trata-se do primeiro resultado positivo desde 2014, quando teve início a crise econômica brasileira. O consumo de matérias-primas aumentou 23,2%, totalizando 196 mil toneladas, enquanto o número de postos de trabalho apresentou queda de 0,9%, perfazendo 59 mil vagas. Os dados são da Maxiquim, consultoria contratada pela Associação Latino-Americana de Materiais Compósitos (ALMACO).

“O mercado de transporte foi fundamental para que conseguíssemos esse desempenho, com destaque para a demanda aquecida por veículos utilizados no campo, como tratores e colheitadeiras. Vale a pena ressaltar também a participação dos postes para as redes elétricas, daí considerando o setor de infraestrutura”, explica Gilmar Lima, presidente da ALMACO. As diferenças entre os indicadores de faturamento e de volume de matérias-primas devem-se basicamente às oscilações de preços registradas no período.

Para 2018, o estudo da Maxiquim projeta um faturamento de R$ 2,841 bilhões, ou seja, uma elevação de 9,4% ante o resultado de 2017, enquanto o consumo de matérias-primas deve crescer 4,8%, totalizando 205 mil toneladas.

“Transporte, agronegócio e infraestrutura continuarão a evoluir. Em paralelo, segmentos que estavam com muitas dificuldades nos últimos dois anos, como construção civil, energia eólica e gás, devem se recuperar. E novos nichos continuarão a surgir, mesmo que lentamente, apoiados pela flexibilidade e leveza típicas dos compósitos”. 

A despeito dos números de 2017 e das previsões otimistas para este ano, o presidente da ALMACO ainda não considera plenamente encerrada a má fase que o setor de compósitos amarga desde 2014. “Perdemos muito no último triênio. Em termos de volume, repetimos em 2016 os números de 2006”, calcula. Por isso, ele observa, as empresas que integram a cadeia produtiva do material voltaram os seus esforços apenas à sobrevivência, deixando em segundo plano a criatividade, o conhecimento e a manutenção dos talentos. “Agora, precisamos continuar alertas, repensar as nossas organizações e buscar alianças financeiras e estratégicas que nos ajudem a investir em educação, inovação e comunicação”.

De acordo com Lima, o papel da ALMACO nessa retomada deve ser o de provocar e tirar as empresas da zona de tranquilidade, colaborando com o fortalecimento não só dos fabricantes de matérias-primas, distribuidores e transformadores, mas também dos usuários de compósitos, comunidade em geral e órgãos governamentais. “É hora de sermos inquietos e investirmos em pessoas, relacionamento, conhecimento e gestão de excelência humanizada. Vamos levantar a bandeira da união e da antecipação, pois, se não cuidarmos uns dos outros, vamos morrer juntos”, conclui.

Sobre a ALMACO

Fundada em 1981, a ALMACO tem como missão representar, promover e fortalecer o desenvolvimento sustentável do mercado de compósitos. Com administração central no Brasil e sedes regionais no Chile, Argentina e Colômbia, a ALMACO tem cerca de 400 associados (empresas, entidades e estudantes) e mantém, em conjunto com o Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT), o Centro de Tecnologia em Compósitos (CETECOM), o maior do gênero na América Latina.

Resultantes da combinação entre polímeros e reforços – por exemplo, fibras de vidro –, os compósitos são conhecidos pelos elevados índices de resistência mecânica e química, associados à liberdade de design. Há mais de 50 mil aplicações catalogadas em todo o mundo, de caixas d’água, tubos e pás eólicas a peças de barcos, ônibus, trens e aviões.

Para mais informações, acesse www.almaco.org.br