Programa Pesca + Sustentável celebra três anos com temporada gastronômica no RJ, BA e PA

Restaurantes do Rio, Bahia e Pará oferecem, a partir deste dezembro, peixes, caranguejos e ostras comprovadamente sustentáveis; consumidor pode acessar informações do pescado por meio do QR code que vem junto ao prato

O Programa Pesca + Sustentável celebra três anos de atuação com uma temporada gastronômica. Restaurantes do Rio de Janeiro, Cabo Frio (RJ) e São Pedro da Aldeia (RJ) e barracas de praia de Canavieiras (BA) e Belém (PA) vão oferecer pescados sustentáveis ao longo do verão, quando aumenta o consumo de frutos do mar. Os produtos serão acompanhados de uma etiqueta com um QR code que permite ao consumidor saber a origem, a comunidade que pescou, época da pesca e características da espécie, atestando que todo o percurso, da pesca à mesa, foi feito de maneira adequada.

Premiado em 2014 no Desafio de Impacto Social Google, o Pesca + Sustentável é um programa da Conservação Internacional (CI-Brasil), uma organização ambiental que atua em prol da natureza há 30 anos. O objetivo é incentivar práticas de manejo adequadas que conservem as espécies e o ecossistema. Nestes três anos, mais de 60 mil famílias de pescadores tradicionais foram beneficiadas com a iniciativa, que acaba por desenvolver o primeiro pescado marinho reconhecidamente sustentável do Brasil, por meio de pactos entre produtores, fornecedores, restaurantes e consumidores.

“Nos últimos três anos, identificamos e trabalhamos junto com comunidades tradicionais que pescam de forma sustentável, e com vários restaurantes interessados em obter seus produtos. As cadeias produtivas incluídas no Pesca+Sustentável estão servindo como modelo para outras cadeias que querem seguir o mesmo caminho. Na próxima fase do programa, identificaremos parceiros de mercado que possam assumir a logística dos pescados e buscar sua sustentabilidade financeira”, explica Rodrigo Medeiros, vice-presidente da CI-Brasil.

 

Pescar menos para pescar melhor

O Brasil captura mais de 536 mil toneladas de pescado marinho por ano. Em grande maioria, de forma não adequada, comprometendo espécies e o futuro das comunidades que dependem da pesca. A costa brasileira tem 11,5 mil Km de extensão e estima-se que 500 mil pessoas vivam da atividade pesqueira.

O Pesca + Sustentável melhora as condições da pesca no Brasil e dá transparência ao processo desde sua origem até a chegada ao consumidor. No caso do caranguejo-uçá, por exemplo, os levantamentos feitos junto às comunidades tradicionais pesqueiras resultaram em um documento levado ao governo federal com sugestões para se alterar o marco regulatório da sua pesca.

 

Cadeias em ação

Atualmente, cinco pescarias estão em curso, em algumas regiões dos Estados do Rio de Janeiro, Bahia e Pará. (veja ao final a lista). O treinamento para melhores práticas envolve várias etapas. A pesca em si, a comercialização do produto, acondicionamento, beneficiamento, transporte e entrega nos restaurantes ou peixarias parceiros do projeto.

Para dar visibilidade ao trabalho, durante a temporada de verão, quem for aos restaurantes envolvidos poderá degustar os pratos com pescados sustentáveis e saber mais um pouquinho de cada um. A intenção da CI-Brasil é que, dentro de alguns anos, o programa permita a oferta permanente de produtos sustentáveis ao consumidor, último e importante elo dessa cadeia.

 

A experiência no Rio de Janeiro

Cerca de 600 famílias vivem da pesca da tainha na Lagoa de Araruama, em São Pedro da Aldeia, a 120 Km do Rio. A atividade existe há mais de 300 anos e é um dos pescados trabalhados no  Pesca + Sustentável.

Com apoio de profissionais da CI-Brasil, a tainha da lagoa está sendo rastreada em toda sua cadeia produtiva. O peixe que chegará, nos próximos dias, à mesa do restaurante Charleston Bubble Lounge, em Copacabana, virá acompanhado de um QR Code para que o consumidor possa rastrear o pescado, conhecendo sua origem, data da pesca, características da espécie e tenha a garantia de que ele foi retirado de seu habitat de maneira correta, sem prejudicar a espécie e o ecossistema.

Charly Damian, chef do Charleston Bubble Lounge, espera que outros restaurantes possam aderir à experiência. “Todos saem ganhando”, disse Damian, que preparou ceviche, ovas e tainha na escama para esta temporada comemorativa do Pesca + Sustentável.

 

Temporada da Pesca + Sustentável

A partir de dezembro de 2017

Rio de Janeiro – Capital

Charleston Bubble Lounge

R. Rodolfo Dantas, 26 A – Copacabana

Pratos: ceviche de tainha (cubos de tainha marinados em molho cítrico, cebola roxa, pimentão vermelho defumado, coentro e gergelim.),Ovas de tainha (ova inteira, frita ou ao vapor, acompanhada de molho siciliano), tainha na escama (filé de tainha com escama grelhado em pedras vulcânicas acompanhado de aspargos grelhados, tomate confit e molho de ervas finas)

Cabo Frio – RJ

Bolsoni Le Monde

R. Barão do Rio Branco, 513.

Prato: Ceviche de tainha

São Pedro da Aldeia

Pousada/restaurante/quiosque Xodó da Praia

Estrada do Boqueirão 4321 – Praia do Sudoeste

Prato: tainha na pedra

Bahia

Canavieiras

Todas as cabanas estão situadas à avenida Beira Mar, Praia da Costa

Cabana Olho do Sol – caranguejo com pirão, cabeça de robalo com pirão e vinagrete

Cabana Nativa – caranguejo e cabeça de robalo com pirão e vinagrete

Cabana do Rubens – cabeça de robalo com pirão e vinagrete, toque toque

Cabana e Restaurante Alegria de viver – caranguejo com pirão e farofa, cabeça de robalo

Cabana O Tijolinho – caranguejo com pirão e farofa, caldo de caranguejo, moqueca a moda da casa, poãn de Caranguejo com peixe frito,pastel de Caranguejo, cabeça de robalo.

Restaurante Rosa Morena – caranguejo com pirão e farofa, cabeça de robalo

Sonho Dourado – Fritada de Caranguejo, cabeça de robalo, caranguejo com pirão, vinagrete e farofa

Cabana de Rocha – caranguejo com farofa e pirão

Cabana Salina Mar – Moqueca de caranguejo no coco, casquinho de caranguejo, cabeça de Robalo, caranguejo com pirão e farofa

Cabana Keitee – caranguejo com pirão e farofa

 

De onde vem o peixe que você come?

Pescados e respectivas reservas participantes:

Caranguejo-uçá e robalo – Reserva Extrativista de Canavieiras, BA

Caranguejo-uçá na Reserva Extrativista São João da Ponta, PA

Caranguejo-uçá e ostra na Reserva Extrativista Mãe Grande do Curuçá, PA

Tainha na Lagoa de Araruama, São Pedro da Aldeia, RJ

 

Para conhecer mais sobre o programa Pesca + Sustentável acesse:

www.pescamaissustentavel.org.br

 

 

Para saber mais sobre a cadeia produtiva da tainha na Lagoa de Araruama (RJ), veja: