Logística inteligente por trás da fábrica de Vans da Mercedes-Benz EUA

A produção da van Mercedes-Benz Sprinter começou em uma fábrica de montagem expandida localizada em North Charleston, Carolina do Sul, após um período de construção de dois anos.

Os planos de US$ 500 milhões para a expansão do Sprinter em North Charleston datam de março de 2015. O investimento incluiu uma oficina de carroceria, de pintura e área de montagem final.

Mais de 900 trabalhadores estão empregados na fábrica. Este número deve aumentar para 1.300 até o final de 2020, com cerca de 600 empregos adicionais sendo criados em fornecedores na área de North Charleston e arredores, de acordo com o OEM.

O local montava anteriormente kits semi-desmontados (SKD) a partir da Alemanha desde 2006. “Com a nova fábrica e os veículos feitos nos Estados Unidos, a área de negócios poderá atender a crescente demanda dos clientes norte-americanos de forma mais econômica e reduzirá significativamente os prazos de entrega neste mercado”, disse a empresa.

Os serviços de logística de produção serão fornecidos pela Kuehne + Nagel, conforme anunciado no ano passado.

A fabricação na planta da Mercedes-Benz Vans inclui sistemas de transporte sem motorista e documentação sem papel.

Os veículos de transporte autônomos, que podem viajar mais de 60 km em um turno, são controlados pelo sistema de TI da fábrica da Carolina do Sul e pelo uso de tecnologia de identificação por radiofrequência (RFID).

“Os transportadores associados, incorporados ao piso da fábrica, recebem os comandos de direção necessários. Os veículos também podem usar Bluetooth para se comunicar uns com os outros e se coordenar automaticamente, garantindo assim o fluxo de tráfego suave em todos os momentos“, afirmou o OEM alemão.

Entre as maiores transformações na fábrica está a redução da burocracia graças ao RFID, o que significa que a posição de um componente específico pode ser identificada com precisão a qualquer momento, com identificação automática e sem contato, de acordo com a Mercedes-Benz.

“Essas informações permitem que os funcionários de logística e produção se ajustem de maneira viável às mudanças do processo”, disse a empresa. “Além disso, o pessoal de garantia de qualidade pode verificar se a peça correta foi instalada no veículo correto.”

Em comparação aos processos convencionais, a tecnologia RFID tornou possível eliminar várias etapas da documentação, como a digitalização manual de códigos de barras. “Isso não só economiza tempo e dinheiro, mas também reduz o número de possíveis fontes de erro”, disse a empresa.

A Mercedes-Benz diz que seus funcionários ainda são o fator mais importante em termos de qualidade de produção.

“Devido à diversidade de tipos de carroceria, conceitos de motor e transmissão, comprimentos de carroceria, tonelagens, alturas de espaço de carga e opções de equipamentos, o novo Sprinter está disponível em mais de 1.700 variantes. Cada funcionário precisa aprender cerca de 900 etapas de processos individuais em uma ordem específica para capacitá-los a construir o novo Sprinter”, disse a empresa.

Ferramentas digitais são usadas para tornar este processo mais eficiente e sustentável. “Na montagem, os funcionários podem usar uma abordagem na tela semelhante à de um jogo de computador para se familiarizar com procedimentos e componentes. Anteriormente, o treinamento para o trabalho de montagem era realizado apenas em veículos de pré-produção”, disse a Mercedes-Benz.

Frank Klein, chefe de operações da Mercedes-Benz Vans, disse que a nova fábrica é “um bem valioso que completa nossa rede global de produção”.

Conforme a produção estava em andamento na fábrica de North Charleston, a Mercedes-Benz tomou a precaução de fechá-la devido ao furacão Florence, que deverá atingir a área no final desta semana.