Licença atrasa obras do Terminal de Múltiplo Uso

Foto: Rizemberg Farias.

Investimento público-privado de R$ 450 milhões no Porto de Cabedelo está previsto para 2018

Em dois anos, a Paraíba poderá realizar operações de importação de cargas de contêineres via Porto de Cabedelo, o que acarretará na arrecadação de impostos e tarifas. Isto será possível com a realização das obras de dragagem do aprofundamento do canal de acesso e bacia de evolução do porto dos atuais 9,14 metros para 11 metros. A obra é a condição para a instalação do Terminal de Múltiplo Uso (TMU), um investimento público-privado orçado em R$ 450 milhões,além dos R$ 100 milhões para a dragagem.

O empecilho ainda são as licenças ambientais para o início das obras, que estão atrasadas. A quarta matéria da série “Sai do papel?”, realizada pelo JORNAL DA PARAÍBA e as demais empresas da Rede Paraíba de Comunicação, mostra que, enquanto os investimentos não são feitos, o Porto de Cabedelo perde em arrecadação, já que é necessário que as cargas importadas cheguem via Porto de Suape (PE), sigam pela rodovia e sejam desembaraçadas pela Receita Federal em Cabedelo.

Segundo a presidente da Companhia Docas, que administra o Porto de Cabedelo, Gilmara Temóteo, a estimativa é que o terminal de múltiplo uso fique pronto em 2018. Segundo ela, o licenciamento ambiental está adiantado e deve ser aprovado. “O porto não tem profundidade para receber grandes navios, portanto não pode receber cargas importadas com contêineres.

Com um calado mais profundo, vamos receber estas mercadorias diretamente em Cabedelo,aumentando nosso fluxo operacional, considerando que as importações correspondem a 90% de tudo o que circula no porto”, explica ela.

O Porto de Cabedelo disponibiliza cinco armazéns alfandegários que somam uma área de 10 mil metros quadrados. O terminal, que vai abrigar apenas cargas de contêineres, vai adicionar uma área de 100 mil metros quadrados. O projeto estima a geração de 300 empregos diretos e 800 indiretos. “As duas obras são fundamentais para o crescimento do porto.

O calado mais profundo vai possibilitar a vinda de navios maiores, dobrar para seis a capacidade de atracamento deles ao mesmo tempo, e teremos áreas adequadas para armazenar as mercadorias”, afirma Gilmara Temóteo. Ela destaca que a dragagem do porto foi realizada em 2010, mas o processo foi interrompido por uma irregularidade da empresa vencedora da licitação.

Fonte: Thadeu Rodrigues / Jornal da Paraíba,PB

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *