Estaleiro – Petrobras transfere construção de navios para a Ásia

Diante da crise do setor naval, a Petrobras deslocou a construção de ao menos nove
plataformas — de um grupo de dez que haviam sido encomendadas a estaleiros envolvidos nas
investigações da Operação Lava-Jato — para a Ásia, principalmente para a China e para a
Tailândia.
Ontem, a estatal deu mais um sinal de sua aproximação com a Ásia. Em comunicado ao
mercado, a Petrobras informou ter assinado Termo de Compromisso com o China Exim Bank
(The Export-Import Bank of China), definindo as condições para um financiamento de US$ 1
bilhão. O empréstimo é uma antecipação de recursos que seriam tomados em 2017. Uma fonte
próxima à estatal explicou que o dinheiro será usado para dar continuidade aos projetos
previstos para o próximo ano. No fim de fevereiro, a Petrobras já havia obtido financiamento de
US$ 10 bilhões com o Banco de Desenvolvimento da China.
CONDIÇÕES MAIS FAVORÁVEIS
Em fato relevante enviado à Comissão de Valores Mobiliários (CVM), a Petrobras informou que o
crédito de US$ 1 bilhão está vinculado a contratos de fornecimento de equipamentos e serviços,
já firmados pela estatal com fornecedores chineses. Segundo a fonte, tratam-se de
equipamentos e serviços já contratados.
Depois que o Brasil e a Petrobras perderam o grau de investimento — espécie de selo de
qualidade aos investidores —, a estatal encontra condições de financiamento menos favoráveis
no exterior e, por isso, procura diversificar suas fontes de crédito. Segundo a fonte, as condições
e os juros dos empréstimos junto a bancos de fomento — que têm como contrapartida a compra
de equipamentos e serviços chineses ou a venda de petróleo — são mais atraentes.
Levantamento feito por um executivo do setor naval indica que, das quatro plataformas previstas
em estaleiros locais para o sistema de cessão onerosa, em campos do pré-sal, somente a P-74
tem seu casco em construção no Estaleiro Inhaúma, no Rio. Os módulos deverão ser
construídos no Estaleiro EBR, no Rio Grande do Sul. Os cascos e módulos de outras três
unidades, P-75-P-76 e P-77, estão em obras na Ásia.
O mesmo acontece com seis plataformas chamadas de replicantes, por seguirem o padrão
previsto anteriormente. Da P-66 à P-71, destinadas ao Campo de Lula, no pré-sal, a construção
dos módulos ocorre na China e na Tailândia.
Alberto Machado Neto, coordenador de MBAs de Gestão de Petróleo e Gás da Fundação
Getulio Vargas (FGV), destaca que a Petrobras precisa elevar a produção de petróleo e cumprir
os contratos de concessão ou partilha assinados com a Agência Nacional do Petróleo (ANP),
que está em consulta pública para rever as exigências.
— Os compromissos de compras de equipamentos e serviços na China não devem ultrapassar
os 40%, em média, de conteúdo no exterior. A Petrobras tem que ter cuidado para não deixar de
comprar no país, pois ainda tem muitas empresas capacitadas — disse Machado.
ESTATAL: OBJETIVO É MITIGAR ATRASOS
A Petrobras por sua vez informou apenas que vem adotando medidas, junto com as empresas
contratadas, para manter a continuidade de seus projetos previstos no Plano de Negócios e
Gestão de 2015 a 2019. A estatal explicou que quando é necessário, avalia a necessidade de
execução no exterior de parte dos serviços das obras de plataformas “com o objetivo de mitigar
atrasos.” A Petrobras destacou que “a construção das unidades encomendadas, bem como a
gestão, engenharia e suprimentos do escopo do contrato permanecem com as empresas
contratadas no Brasil.”
Jornal O Globo – RJ

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *