Diretor-geral de Itaipu tem audiência com presidente Temer

Da esquerda para a direita, o assessor parlamentar Altino Nascentes; o deputado Evandro Roman; o ministro Dyogo Oliveira; o deputado Sérgio Souza; o diretor de Itaipu Luiz Fernando Leone Vianna; o presidente Michel Temer; o ministro Fernando Coelho Filho; e os deputados Edmar Arruda e Reinhold Stephanes (suplente). Crédito: Marcos Corrêa.

Reunião de trabalho contou com a participação de ministros e parlamentares do Paraná. Na pauta, questões relacionadas à usina binacional.

O diretor-geral brasileiro da Itaipu Binacional, Luiz Fernando Leone Vianna, participou de uma audiência com o presidente da República, Michel Temer, em Brasília, no último dia 9 de novembro, para tratar de questões relacionadas à binacional. Participaram da reunião de trabalho o ministro de Minas e Energia, Fernando Coelho Filho, o ministro do Planejamento, Gestão e Desenvolvimento, Dyogo Oliveira, e parlamentares do Paraná.

Da comitiva paranaense estavam os deputados Evandro Roman, Sérgio Souza, Edmar Arruda e Reinhold Stephanes.

Em agosto, em razão da visita do presidente do Paraguai, Horácio Cartes, ao Brasil, o Itamaraty divulgou um comunicado conjunto assinado pelos dois presidentes. Em alguns itens da declaração, Temer e Cartes destacaram que a Itaipu Binacional constitui paradigma mundial de iniciativa bilateral bem-sucedida de produção de energia limpa e renovável. Eles aproveitaram a ocasião para celebrar os sucessivos recordes da empresa em geração de energia, o que confirma o “êxito da gestão conjunta de Brasil e Paraguai”.

Também reafirmaram, igualmente, que a Itaipu Binacional, com base em seu Plano Estratégico vigente, tem como objetivos a geração de energia com o melhor desempenho operativo, com equilíbrio econômico e financeiro e as melhores práticas de sustentabilidade, impulsionando o desenvolvimento econômico, tecnológico, social e ambiental, em conformidade com a Agenda 2030 das Nações Unidas para o Desenvolvimento Sustentável.

O comunicado ressaltou ainda que, “tendo presente que as bases financeiras e de prestação de serviço de eletricidade da hidrelétrica binacional serão revistas, conforme determinam o Tratado de Itaipu e seus anexos, após o decurso de um prazo de 50 anos a partir de sua entrada em vigor, os presidentes determinaram a agilização das consultas e estudos técnicos internos voltados para a preparação da correspondente negociação diplomática bilateral”.

Ficou definida na ocasião, ainda, a realização de uma primeira reunião do Grupo Binacional de Trabalho para discutir o alcance e as modalidades das futuras tarefas de uma Comissão Binacional cujos trabalhos têm por objetivo elevar o nível de transparência contábil de Itaipu Binacional.

Todos esses pontos foram abordados na audiência do presidente Temer com o diretor-geral brasileiro de Itaipu, ministros e parlamentares paranaenses.  Nesta quarta-feira (22), numa cerimônia protocolar, a Itaipu Binacional, líder mundial de geração e energia, celebrou a marca dos 2,5 bilhões de milhões de megawatts-hora (MWh) acumulados desde a entrada em operação, em maio de 1984. Para o próximo ano, Itaipu, que está fora do processo de desestatização da Eletrobras, deve iniciar o projeto de atualização tecnológica de suas 20 unidades geradoras.  A previsão de investimos é da ordem de US$ 500 milhões, com conclusão de dez anos.

Com a modernização, a usina continuará gerando energia de forma sustentável com o mesmo desempenho que a fez bater sucessivos recordes e a colocou em patamares jamais alcançado por outra hidrelétrica. Em 2016, Itaipu atingiu mais de 103 milhões de MWh. Nenhuma outra usina gerou tanta energia.

Ainda sobre o Paraguai

Durante a reunião, Temer reforçou a posição estratégica de Itaipu tanto para o Brasil quanto para o Paraguai, um sócio importante no Mercosul. A dinâmica do comércio e dos investimentos bilaterais mantém o Brasil como principal sócio comercial do Paraguai e o segundo maior investidor no país vizinho.

O Paraguai tem uma população de 6,7 milhões de habitantes. Estima-se que 349.842 mil brasileiros residam em território paraguaio. O Brasil vende US$ 1,344 bilhão para o país vizinho e compra do Paraguai US$ 758 milhões.