Agronegócio é o Brasil que dá certo

O LIDE – grupo de líderes empresariais – promoveu na última terça-feira (2/5), durante a Agrishow (Feira Internacional de Tecnologia Agrícola em Ação), na Arena do Conhecimento, em Ribeirão Preto, um encontro com Roberto Giannetti da Fonseca, vice-chairman do LIDE, economista e presidente da Kaduna Consultoria. Giannetti afirmou que está otimista com a recuperação da economia, mas que gostaria que o processo fosse mais rápido e elogiou o agronegócio como uma referência de sucesso do Brasil. “O agronegócio é o Brasil que dá certo, que cresce com uma taxa positiva, fantástica, um sucesso absoluto, mostrando sua capacidade de produtividade, inovação e tecnologia, com livre iniciativa, mais liberdade de operação, menos intervenção e mais empreendedorismo”, comentou Giannetti. “Temos deficiências ainda na logística e na comercialização, mas o agronegócio é aquilo que se deveria mirar para fazer o país dar certo.”

Giannetti ministrou a palestra “Volta do Crescimento do Brasil: oportunidades e desafios” e, apesar de seu otimismo, demonstrou seu incômodo com o ritmo vagaroso do crescimento econômico. “Faltam medidas de curto prazo, temos que torcer para aprovações das reformas previdenciária e trabalhista, porque são fundamentais para dar segurança e confiança ao empresário e ao consumidor, mas me preocupa o nível de desemprego, que ainda cresce, já em mais de 14%”, explicou. “Temos que tomar medidas urgentes para a redução de desemprego no Brasil.”

Se o agronegócio é um exemplo e dá a sua contribuição ao país, Giannetti volta suas atenções para estimular os setores de serviços e as indústrias, que empregam muito. Com previsão de crescimento econômico baixo neste ano, de 0,5%, ele destaca que o Brasil deveria crescer 3% a 4% ao ano. Para 2018, talvez chegue a 2%. “Precisamos de reforma política e partidária e realizarmos eleições em 2017 para retornar o país à sua normalidade para que ele cresça de forma vigorosa”, acrescentou o economista, lembrando que também é necessária a reforma tributária, além de resolver as dependências econômicas das altas taxa de juros e a taxa de câmbio. “É preciso estímulo, só esperar o mercado reagir não resolve.” Gianetti enfatizou que a reforma política e partidária deve partir da sociedade civil, senão os erros do sistema irão continuar.

Para o presidente do LIDE Ribeirão Preto, Fábio Fernandes a parceria entre o LIDE e a Agrishow já deu certo. “O evento foi um sucesso e o Giannetti apresentou uma aula de economia, bom senso e otimismo. O encontro reuniu nossos filiados, convidados e autoridades do setor. Foi uma reunião brilhante que marca a presença do LIDE numa Feira de destaque mundial como é Agrishow”, diz Fernandes.

Atualmente, o LIDE Ribeirão Preto conta com 82 filiados e recebeu o Prêmio LIDE de Eficiência 2015 em reconhecimento à unidade do LIDE com o melhor desempenho durante o ano. O LIDE Futuro Ribeirão Preto conta com 152 filiados

Roberto Giannetti é economista pela Universidade de São Paulo, foi Diretor e Presidente da Cotia Trading S.A.; exerceu o cargo de Secretário Executivo da Câmara de Comércio Exterior (CAMEX), órgão vinculado a Presidência da República (Governo FHC). Foi Presidente da Fundação Centro de Estudos do Comércio Exterior – FUNCEX (2004-2009). Exerceu o mandato de Diretor Titular do Departamento de Relações Internacionais e Comércio Exterior (DEREX) da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo – FIESP (2004-2013). Foi nomeado em 2015, pela Presidência da República, Membro do Conselho Consultivo do Setor Privado – CONEX. Preside as empresas Brasilis Comércio Exterior S.A., Mineração São Francisco de Assis Ltda.,  e Brasilis/Kaduna Consultoria e Participações Ltda. Atualmente é também Presidente do LIDE Infraestrutura, Presidente do Capítulo Brasileiro do CEAL – Conselho Empresarial da América Latina, e membro do Conselho de Administração das empresas Multigrain S.A., e Search Minerals Ltd. (Canadá). É autor dos livros “Uruguay Round” – (Columbia University) e  “Memórias de um Trader” (IOB Thonson).